Conheça 15 Jogos Proibidos

Alguns são controversos o bastante que as autoridades fazerem de tudo para bani-los. Outros, é só um detalhe que irrita alguém em especial e alguns não faz o menor sentido mesmo. Então, vamos conhecer alguns desses jogos proibidos

Jogos proibidos
Alguns jogos chamaram a atenção demais

Censura. É um problema sério em vários países do mundo e ele se estende ao universo dos videogames. Quando os desenvolvedores alteram sua visão para melhor atender às necessidades do mercado, alguns jogadores tratam isso como uma facada no seu coração. Mas a alternativa pode ser ainda pior. Em todo o mundo, alguns jogos de videogames já foram retirados das prateleiras das lojas porque eram demais para a comunidade (às vezes muito sensível) lidar.

Não cabe a nós dizer se essa censura é justificada (mas sejamos justos, provavelmente não é). O que é instrutivo é examinar os jogos que foram banidos e tentar descobrir o que irrita as pessoas neles. Em muitos casos, é bastante óbvio – violência intensa, sexo explícito ou temas desagradáveis. E você certamente verá uma parte dessas coisas nos jogos que se seguem. Mas há outros motivos pelos quais os jogos são proibidos de vender, e eles são muito estranhos.

Quando o assunto é esse, todo mundo conhece os famosos casos de shooters 3D do começo dos anos 90, como Doom, Carmagedom, Duke Nuken 3D e o caso do Mortal Kombat que deixaram aqueles que são “defensores da moral e bons costumes” de cabelos em pé por sua violência e sangue e etc, etc… Vamos tentar sair um pouco do óbvio aqui. Vamos falar de alguns desses jogos que foram banidos em vários países e sobre a situação deles no Brasil. Alguns você já conhece, mas alguns talvez sejam novidades para você, então, vamos a lista.

FAQ Rápido

Counter-Strike é proibido no Brasil?

Ele foi proibido em 2008 e liberado em 2009

-- Publicidade --

Postal 2 é liberado no Brasil?

Não

Por que GTA é proibido no Brasil?

Apenas a DLC “The Ballad of Gay Tony” é banida porque usou uma música sem autorização do compositor

Jogos Proibidos

Rapelay

Rapelay
Rapelay

Esse aqui é “poucas ideias”. Muitos dos jogos desta lista foram proibidos simplesmente por causa de mal-entendidos culturais, mas certamente não se pode dizer isso para Rapelay. O jogo é insanamente polêmico e foi desenvolvido pelo estúdio japonês Illusion lançado em 2006 e quase imediatamente deu início a uma tempestade de sensações ruins e problemas.

Se você ainda não ouviu falar, Rapelay o coloca na pele de um predador sexual e o incumbe de perseguir e fazer sexo com uma mãe e suas duas filhas à força por vingança por elas terem te mandado para cadeia por, ser um predador sexual. Desnecessário dizer que isso é incrivelmente problemático e não é legal.

Rapelay foi banido em vários países após o lançamento e é ilegal vendê-lo aqui no Brasil, na Argentina, Indonésia e Nova Zelândia. Nos Estados Unidos, ele recebeu uma classificação Adults Only, o que significava que a maioria dos varejistas não o estocaria, mas você ainda pode achá-lo online. Porém, há um ponto a ser comentado aqui: Ele nunca foi lançado oficialmente fora do Japão.

-- Publicidade --

A Illusion é uma software house que é especializada em jogos eróticos e não é o primeiro deles com esse tema e, nenhum deles, nunca foi vendido fora do Japão. Os jogos deles inclusive só funcionam em Windows japoneses. Lá (por pior que pareça) o jogo é perfeitamente legalizado. Ele só chegou em outros países e foi proibido por causa da pirataria online, mas em seu país de origem, ele é vendido legalmente. Atualmente, você até encontra um game da Illusion na Steam, chamado Koikatsu. Ele é de teor sexual, mas não é nada tão absurdamente errado como Rapelay.

Manhunt 2

Manhunt 2
Manhunt 2

A Rockstar Games vai aparecer nesta lista algumas vezes, apenas para você já saber com antecedência. O estúdio gerou polêmica com os jogos Grand Theft Auto com grande sucesso, mas quando mergulhou no mundo brutal da violência explicita com os jogos Manhunt, a empresa conseguiu chamar a atenção um pouco mais do que o esperado. O primeiro jogo da série viu uma resistência do governo da Nova Zelândia e em outras nações, mas o segundo – que aumentou o sangue e a brutalidade para níveis nunca vistos – aí a justiça bateu o martelo com força. Com muita força!

O Manhunt 2 foi classificado pela BBFC (Diretoria Britânica de Classificação de Filmes) como “recusado” no Reino Unido, basicamente significa que era muito difícil para ele receber uma classificação que fosse adequada e, por isso, recusaram de uma vez. Rockstar voltou e adicionou alguns filtros gráficos para obscurecer o sangue, e a versão editada foi originalmente lançada lá. Sua venda foi proibida na Alemanha, Irlanda, Nova Zelândia, Kuwait e Arábia Saudita, bem como na Coreia do Sul (que também proibiu o original). Por aqui, não há informações sobre ele ser proibido ou não, mas, é provável que ele só esteja disponível em sua versão mais “moderada”.

Tom Clancy’s Ghost Recon Advanced Warfighter 2

Tom clancy’s ghost recon advanced warfighter 2
Tom Clancy’s Ghost Recon Advanced Warfighter 2

O México nunca viu uma proibição nacional de qualquer videogame específico, mas um título deixou as autoridades regionais tão irritadas que conseguiram fazê-las proibi-lo de ser vendido no país. Tom Clancy’s Ghost Recon Advanced Warfighter 2 não é apenas um título insanamente longo, é também um jogo de tiro tático bem famoso e com boas notas nas críticas. Infelizmente, a missão de abertura do jogo não pinta a cidade de Ciudad Juarez de uma maneira tão boa.

Sua equipe tática trabalha com as autoridades mexicanas para limpar os guerrilheiros nas ruas da cidade, engajando-se em tiroteios brutais. O prefeito de Juarez não era ficou muito feliz com um videogame que pintava sua cidade como insegura (apesar da crescente violência das drogas no mundo real lá) e cheia de bandidos nas ruas e convenceu o governador de Chihuahua (sim, o mesmo nome do cachorro) a ordenar a apreensão de todas as cópias do jogo no estado e proíba-lo de ser vendido.

-- Publicidade --

Postal 2

Postal 2
Postal 2

Muitos jogos ultrapassam os limites do mau gosto, mas nenhum é tão dedicado como a série Postal. Os títulos de mundo aberto sandbox de longa duração que colocam você no lugar de um cara comum tentando chamar a atenção apenas para ser levado em uma fúria violenta e homicida e seu senso de humor anárquico é definitivamente um que se esforça para estar nesse tipo de lista. E na Nova Zelândia, o pessoal realmente não gostou desse jogo.

A proibição do jogo na Nova Zelândia cita “Conteúdo grosseiro e repugnante: urinar, violência de alto impacto, crueldade animal, homofobia, estereótipos raciais e étnicos” como o motivo para o banimento. Sejamos justos: todas essas coisas estão mesmo no jogo e tem até um botão para mijar. A penalidade por possuir uma cópia de Postal é uma multa de US $ 1.400 (o que dá para você comprar muitos jogos melhores). Por aqui, ele ainda é proibido, mas o primeiro jogo é liberado.

Counter-Strike

Counter-strike
Counter-Strike

Esse jogo foi lançado em 1999 e foi proibido no Brasil. A proibição aconteceu em 2008 e, após muita reclamação e protestos (alguns aconteceram até no MASP, em São Paulo) liberado novamente em 2009. Mas, a situação é que o game, apesar de dizerem que era violento e controverso por você poder jogar com terroristas, a grande questão da proibição foi por causa do publico infantil. Counte-Strike era um vício nas lan houses na década de 90 e começo dos anos 2000, e muitas crianças passavam horas lá, jogando e muitas até faltavam nas escolas.

Para tentar conter essa febre, os jogos foram proibidos, mas, nada impedia as crianças de continuar lá, vendo coisas na internet ou jogando outras coisas, como o Ragnarok Online ou outros. Atualmente, o CS virou E-Sports e existem equipes que disputam campeonatos nacionais e mundiais.

Custer’s Revenge

Custer's revenge
Custer’s Revenge

Quase a tanto tempo quanto existem os videogames, as pessoas tentam transformá-los em pornografia (a famosa Regra 34). Um dos jogos obscenos mais notórios de todos os tempos é Custer’s Revenge, lançado para o Atari 2600 em 1982.

-- Publicidade --

Produzido por uma subsidiária de uma empresa de filmes adultos, o jogo coloca o jogador como um General Custer (um oficial do exército dos Estados Unidos e comandante de uma unidade de cavalaria durante a Guerra Civil Americana e as Guerras Indígenas) com uma ereção pixelizada que tem que atravessar a tela passando por uma saraivada de flechas até chegar em uma mulher nativa americana amarrada a um poste. Coisa bem família, não é?

Quando o jogo foi lançado, ele gerou um pânico moral, com a feminista anti-sexo Andrea Dworkin alegando que ele “gerou muitas gangues de estupro de mulheres nativas americanas”. Nenhum dado empírico comprovou isso, mas várias cidades criaram leis para proibir a venda do jogo. Por aqui, não há informações sobre o banimento do jogo, mas é improvável que alguém soubesse quem era o General Custer e, se o infame X-Man era permitido, então, porque esse não seria?

Pokémon Trading Card Game

Pokémon trading card game
Pokémon Trading Card Game

Que tipo de país consideraria adequado proibir algo tão inofensivo como o Pokémon Trading Card Game? Bem-vindos à Arábia Saudita, pessoal. A nação fortemente muçulmana do Oriente Médio emitiu um decreto em 2001 proibindo a importação de versões eletrônicas e físicas do jogo. Pikachu, o amado Pokémon elétrico, e seus companheiros monstros de bolso eram considerados uma ameaça à segurança nacional.

Por quê? Porque os símbolos usados para a energia no jogo lembram “a estrela de David, que todos sabem que está conectada ao sionismo internacional e é o emblema nacional de Israel”. Promover o sionismo é uma grande proibição em muitos estados do Oriente Médio, por razões geopolíticas óbvias. Não importava para os clérigos sauditas que a semelhança não fosse intencional.

Pelo menos não inventaram que as cartas eram do demônio para polemizar com elas, como aconteceu com as cartas de Yu-Gi-Oh no finado programa do apresentador Gilberto Barros.

-- Publicidade --

Grand Theft Auto

Gta
GTA

Os jogos GTA têm sido alvo de resistência em todo o mundo por sua glorificação da violência e caos, mas apenas um país tomou a medida drástica de banir todos os títulos da franquia. Isso foi na Tailândia, surpreendentemente. O país não costuma censurar a violência (embora proíba jogos com conteúdo sexual adulto), mas a galinha dos ovos de ouro da Rockstar é uma exceção especial devido a algumas consequências na vida real.

Em 2008, um jovem chamado Polwat Chino chamou um táxi de Bangkok e, quando chegou a hora de pagar a viagem, puxou uma faca e esfaqueou o motorista até a morte. Quando a polícia o pegou, Chino que culpou Grand Theft Auto por suas ações violentas, dizendo “matar parecia fácil no jogo” e ele precisava de dinheiro para jogar (muitos tailandeses não possuem seus próprios consoles ou computadores e, em vez disso, jogam em cyber cafés). O governo respondeu proibindo todos os jogos do GTA de uma só vez.

Por aqui? Bom, por aqui ninguém liga pra violência ou crimes de GTA, mas usar uma música de funk? Ai o bicho pegou. É o caso da DLC “The Ballad of Gay Tony” (e você pensando que foi por causa do “gay” no nome? Não, a expansão é de bem antes de 2018). Aparentemente, a Rockstar usou a música “Bota o dedinho pro Alto”, do cantor MC Miltinho, sem a autorização e então, a DLC foi banida.

Command & Conquer: Generals

O conteúdo de um jogo não precisa ser escandalosamente sexual ou violento para atrair a ira dos censores do governo. Às vezes, tudo o que você precisa fazer é explodir um país para que seu jogo seja banido, como foi com Command & Conquer: Generals. O jogo de estratégia em tempo real lançado pela Electronic Arts em 2006. O sétimo jogo da franquia de longa data permitia que os jogadores assumissem o comando dos Estados Unidos, da China ou de uma força terrorista descentralizada atacando ambos. Fazer uma aposta no mercado asiático parece uma boa ideia, mas o tiro saiu um pouco pela culatra.

O modo de história do jogo começa com um dispositivo nuclear sendo detonado em Pequim, seguido pela destruição da Hidrelétrica das Três Gargantas. A visão de lendários marcos chineses sendo obliterados irritou tanto o governo daquele país que eles proibiram toda a série. Por aqui? Nenhum problema por aqui.

-- Publicidade --

Devotion

Devotion
Devotion

O que teria de errado em um jogo de terror e vários jump scares que poderiam fazer ele ser banido da China e removido da Steam e só ser relançado muito recentemente em uma versão censurada para que pudesse ser comercializado no mundo todo? O sangue? Você diria. A violência? Algum caso de assassinato real que chocou os familiares das vítimas e obrigou o jogo a ser recolhido? Nada disso! Foi tudo culpa do Ursinho Pooh!

Tem um meme na internet que compara o presidente chinês, Xi Jinping, ao ursinho Pooh, personagem da Disney, e, por causa disso, o urso foi banido do país. Aparentemente, havia um meme desses escondido no jogo, em algumas letras do talismã da imagem acima, como um easter egg escrito “Xi Jinping: Little Winnie Bear” e, quando ele foi descoberto, o jogo foi banido do país. Apesar de agora você pode comprá-lo, sem as piadas com o presidente chinês, ele continua banido na China.

Jogos proibidos
A internet não perdoa

Bully

Conheça 15 jogos proibidos | d8d8c3e7 bully | married games análises | bully, gta, jogos banidos, justiça, mmorpg, pokémon, postal 2, proibição, rapelay, rockstar, rpg, simulador, tom clancy | jogos proibidos
Bully

Dissemos que você veria Rockstar nesta lista mais de uma vez. Embora seja lógico que os governos tenham problemas com os jogos anárquicos como GTA ou com a carnificina exagerada do Manhunt, o que poderia haver de tão terrível em Bully, o clássico conto da empresa em 2006 sobre um estudante inglês tentando sobreviver nas estruturas sociais de um colégio interno?

Pergunte ao governo do Rio Grande do Sul, que bateu o martelo contra Bully logo após o lançamento do jogo. Seu argumento era que pelo jogo se passar em uma escola seria “potencialmente prejudicial” para os adolescentes. Uma multa de R $ 1.000,00 por dia pode ser cobrada de quem vender ou mesmo possuir o jogo. Atualmente ele foi liberado e você acha ele na Steam e ele talvez até ganhe um remake.

EA Sports MMA

Ea sports mma
EA Sports MMA

Rápido, qual é a razão mais estranha para se banir um jogo que você pode imaginar? Errou! Essa é mais estranha. EA Sports MMA foi a tentativa da gigante dos videogames de esportes, em 2010, de lucrar com a mania de luta sem regras sem ter a licença do UFC. Apresentou lutadores famosos, além de lendas como Randy Couture, e recebeu críticas decentes. As vendas foram fracas, mas, fica a dúvida: Por que ele foi proibido na Dinamarca?

-- Publicidade --

Foram os chutes brutais e estrangulamentos impiedosos? Não. Violência? Não. Direitos Autorais? Não. Foram as bebidas energéticas! A EA Sports MMA apresentava anúncios no jogo para as famosas misturas de cafeína e açúcar antes das lutas, e isso é contra a lei naquele país. Em vez de produzir uma versão alternativa do jogo, sem esses anúncios, a EA apenas optou por permitir que a venda fosse banida. Talvez eles acharam que as vendas não iam compensar.

The Guy Game

The guy game
The Guy Game

Não ouviu falar de the Guy Game? Normal. Ele foi o único título já feito pelos desenvolvedores da Top Heavy Studios, e a versão para Xbox teve só 47 pontos nos reviews do Metacritic. O jogo era uma competição de perguntas e respostas de múltipla escolha, mas o “atrativo” era que, conforme você respondia às perguntas corretamente, era recompensado com imagens FMV de mulheres jovens levantando as camisas e deixando seus peitos saltitarem livres por alguns segundos.

Infelizmente para a Top Heavy, um desses pares de peitos nus pertencia a uma garota de 17 anos, e a empresa agora violava os estatutos da pornografia infantil. Um processo se seguiu rapidamente, com um juiz do condado de Travis, no Texas, emitindo um decreto proibindo a venda de cópias adicionais. O jogo foi rapidamente retirado do mercado e esquecido.

Imagina se aconteceria algo parecido por aqui? Como uma garota de 17 anos que participava como assistente de palco de uma apresentadora infantil posar para uma revista masculina? Claro, isso nunca aconteceria aqui!

EverQuest

Everquest
EverQuest

Um MMORPG que foi proibido por… vai saber! O caso dos energéticos parece estranho, mas, pelo menos, tem um motivo. Aqui, nem isso tem. EverQuest foi lançado em 1999 e foi proibido de ser comercializado aqui no Brasil em 2008 (quem queria jogar já deveria estar até enjoado do game de tanto tempo que passou) por um juiz de Minas Gerais “foram considerados impróprios para o consumo, na medida em que são nocivos à saúde dos consumidores” e ferem o Código de Proteção e Defesa do Consumidor. Qual? Vai saber!

-- Publicidade --

Além disso, ele “leva o jogador ao total desvirtuamento e conflitos psicológicos ‘pesados’; pois as tarefas que este recebe, podem ser boas ou más”. Quais eram esses “conflitos” talvez algum jogador de EverQuest possa nos dizer! A questão é que, por ter sido na mesma época que a proibição de Counter-Strike, o motivo pode ser a tentativa de afastar as crianças cabuladoras de aulas das lan houses.

Football Manager 2005

Football manager 2005
Football Manager 2005

Você já pensou que um jogo de simulação de futebol, que tem apenas números, gráficos e estatísticas na tela poderia ser banido de algum lugar? Bom, esse é o caso de Football Manager 2005 da Sega que foi proibido na China. O motivo? O jogo reconheceu o Tibete como um país independente! Algo que ofende profundamente os chineses.

Há 50 anos o país é considerado (pelos chineses) como parte do seu território e qualquer coisa que reconheça o Tibete como um país soberano é censurado em território chinês. Isso também fez com que a Marvel substituísse o personagem Ancião das HQs, um senhor tibetano, pela Anciã, uma mulher celta interpretada pela atriz Tilda Swinton (que é excelente). A Sega lançou lá uma versão corrigida, mas parece que a versão original foi amplamente distribuída através de pirataria.

Agora, conte para nós se você curtiu a lista? Desconhecia algum banimento? Tem algum que faltou? Fale para nós e aproveite para ler mais sobre games no nosso site.

-- Publicidade --
Avatar of paulo fabris

Paulo Fabris é um jornalista, escritor, RPGista, gamer, cosplayer, nerd e fã de animes desde a época da TV Manchete.