Análise: Experiência com Life is Strange 1, 2 e spin-off

Não se trata de um jogo com gráficos excepcionais, grandes articulações muito menos opções de formato de jogo, o que interessa em Life is Strange é a história. E em meio de produções gigantescas, a franquia conseguiu se destacar e cativar uma fã base gigantesca, o que levanta o questionamento: porque gostamos tanto de Life is Strange? Cuidado, o texto pode conter spoilers!

Análise: experiência com life is strange 1, 2 e spin-off | 6568425f life is strange scaled | married games análises, guia, pc, plataformas, playstation, xbox | life is strange, pc, playstation, singleplayer, square enix, xbox | life is strange
Life is strange foi um grande sucesso, se tornando um dos melhores jogos do seu gênero. (imagem: site oficial steam)

O primeiro Life is Strange foi lançado pelo estúdio Square Enix ao longo do ano de 2015, nas plataformas PC, Xbox 360/One, Playstation 3/4, dividido em 5 episódios, onde as suas escolhas influenciam na história e determinam o final do game. Essa dinâmica de capítulos e ações que interferem na dinâmica é uma marca registrada da franquia.

No primeiro jogo, a trama conta sobre Max, uma adolescente hipster apaixonada por fotografia que por algum motivo recebe o dom de voltar no tempo, sua amiga de infância, Chloe, uma punk que se mete em situações um tanto quanto mortais após o sumiço sem explicações de Rachel, uma terceira adolescente.

Logo depois em 2017, a Deck Nine produziu e a Square Enix lançou o spin-off Life is Strange: Before the Storm, onde o público pode matar a curiosidade sobre quem era Rachel e qual sua relação com Chloe. Nesse jogo, o espectador controla Chloe que não possuí poderes, apenas uma língua muito afiada.

Cativados pelo sucesso dos primeiros jogos, em 2018, Life is Strange 2 e o spin-off The Awesome Adventures of Captain Spirit foram apresentado pela Square Enix e Dontnod Entertainment. Dessa vez, contado a história de Sean e Daniel, dois irmãos de origem hispânica que após um trágico acidente descobrem o poder de Daniel: telecinese e precisam enfrentar os desafios “sozinhos” e sempre fugindo da polícia.

Em The Awesome Adventures of Captain Spirit, conhecemos melhor a vida de Chris, um personagem secundário porém essencial para a trama do LiS2. O final escolhido para LiS1 e Captain Spirit alteram a realidade de LiS2, interligando todo o universo Life is Strange. Dependendo de como Chris age no spin-off e do laço desenvolvido entre ele e Sean, as coisas podem mudar.

E agora, em março de 2021, foi anunciado o terceiro jogo da franquia, Life Is Strange: True Colors, previsto para setembro, dessa vez com gráficos atualizados. O anúncio levou os fãs da saga a loucura, surgiram teorias, questionamentos e desejos, deixando uma dúvida do ar: afinal, porque gostamos tanto de Life is Strange?

Análise: experiência com life is strange 1, 2 e spin-off | 699c8e4f lis2 sc5 | married games análises, guia, pc, plataformas, playstation, xbox | life is strange, pc, playstation, singleplayer, square enix, xbox | life is strange
Na imagem, sean e daniel, protagonistas de life is strange 2 (imagem: site oficial square enix)

Os jogos

  • No primeiro Life is Strange jogamos sob a perspectiva de Maxine Caulfield (Max, para íntimos), uma estudante de fotografia que após um estranho sonho com um tornado destruindo sua cidade, Arcadia Bay, e presenciar um possível assassinato no banheiro de sua escola, descobre ser capaz de voltar no tempo.

    Desta forma, sua primeira ação é salvar a vida da garota de cabelo azul que encontrou naquele banheiro. Após o susto, Max descobre que aquela garota era Chloe Price, sua melhor amiga de infância, de quem havia se distanciado nos últimos anos.

    Chloe por sua vez, era muito próxima de Rachel Amber, outra estudante que teria desaparecido misteriosamente. Ao se reencontrarem, elas decidem juntas solucionar o mistério e descobrir o que de fato queria acontecido com Rachel, e para isso, usam e abusam do poder de Max.

    Ao voltar no tempo inúmeras vezes, Maxine cria um efeito borboleta capaz de leva-la até mesmo a outras linhas do tempo, e para consertar a realidade, ela coloca em jogo a vida das pessoas que mais ama.
  • Em Life is Strange Before the Storm, voltamos no tempo para antes de Max e Chloe se reencontrarem, antes mesmo do icônico cabelo azul. Dessa vez, jogamos sob a perspectiva de Chloe, acompanhando então todo o desenvolvimento de sua relação com Rachel.

    Nesse jogo, temos a chance de conhecer melhor Rachel Amber, e porque todos em Arcadia Bay, principalmente Chloe, gostam tanto dela. A trama segue até o momento do desaparecimento de Rachel.

    Shows de rock, problemas com traficantes, brigas com os pais e planos de fugir de casa são as principais aventuras vividas pelas protagonistas, além é claro, de muitas aulas cabuladas. Apesar de ser bastante diferente da primeira proposta de super poderes, esse jogo tem muito em comum com a primeira obra: a prova de que os produtores não tem coração, não existe um final feliz para esse jogo.

    Na versão deluxe, há um episódio extra onde voltamos a jogar com Max, dessa vez no dia em que ela e Chloe se distanciam ainda quando crianças.
  • Em Life is Strange 2 o núcleo muda. Jogando sob a perspectiva de Sean Diaz, um adolescente comum filho de um pai mexicano que foi abandonado pela esposa após o nascimento do segundo filho. Como um adolescente comum, Sean apenas deseja descobrir sua vocação e se dar bem com a crush da escola, além de ter uma habilidade especial como desenhista.

    A história começa após defender o seu irmão mais novo, Daniel, de um valentão, Sean acaba possivelmente matando o rapaz. Ao mesmo tempo, um policial chega ao local, e enquanto o pai de Sean tenta acalma-lo, acaba sendo baleado, fazendo com que Daniel se descontrole e descubra seu poder de telecinese, causando uma explosão.

    Sem qualquer testemunha e ainda sob a perspectiva de ser um latino-americano, Sean se torna um suspeito de terrorismo. Ele e Daniel fogem, numa tentativa de voltar a terra natal de seu pai, Puerto Lobos. Fugindo de Seattle até o México, basicamente a pé, os irmãos são perseguidos pelo preconceito, mas também recebem ajuda de pessoas especiais.

    Life is Strange 2 é ainda mais interativo, com quatro finais disponíveis com variações dos pares românticos podendo fazer parte dele ou não. Além de que as escolhas tomadas pelo jogador no primeiro jogo trazem diálogos e cenários diferentes.
  • O spin-off The Awesome Adventures of Captain Spirit, conta a história de uma dessas pessoas especiais que ajudam os irmãos Sean e Daniel. Chris é vizinho dos avós de Sean e Daniel, que os acolhem durante uma parte da jornada. Após o falecimento de sua mãe, o pai de Chris acaba desenvolvendo alcoolismo, o que o deixa muito agressivo.

    Chris é apresentado em Life is Strange 2 no episódio 2 do jogo principal e para joga-lo, são usados os dados de escolhas do spin-off, que determinarão como Chris ira agir. Chris não possuí super poderes, apenas uma super imaginação que transforma tarefas simples do dia a dia em verdadeiras aventuras incríveis.

    Não distante do que se imaginava, a dupla Chris e Daniel é perfeita e apaixonante, por isso o jogador deve tomar cuidado para, mais uma vez, não partir seu coração. Chris também tem uma ligação especial com Sean por meio dos desenhos, uma forma de matar saudades de sua falecida mãe.

Intensidade e delicadeza em Life is Strange

Não a toa, os jogos da franquia não são indicados para menores de 16 anos. Isso porque toda a história gira em torno de assuntos muito delicados e que precisam de uma certa responsabilidade para serem tratados. Em LiS1 e LiS Before the Storm, são levantadas pautas sobre desarmamento, suicídio, depressão, abuso de substâncias, abuso sexual, bullying, meio ambiente e muito mais.

Já em Life is Strange 2, os personagens enfrentam xenofobia, despreparo policial, preconceito, fanatismo religioso, homofobia e tráfico de drogas, não obstante, com o spin-off The Awesome Adventures of Captain Spirit, Chris precisa lidar com o luto e com o alcoolismo de seu pai.

Essas pautas trazem um outro olhar sobre assuntos sérios e cotidianos, muitas vezes de uma maneira mais sensível e empática, por exemplo quando Sean é humilhado e possivelmente espancado por “ser mexicano” sendo que na verdade, ele não só é legalizado, como também é americano de nascença.

Muitas vezes assuntos semelhantes passam despercebidos no Brasil, tanto por uma questão cultural quanto por uma perspectiva diferente. Isso além de levantar um debate sobre os assuntos, abre os olhos do jogador para a pluralidade de diversas discussões.

Análise: experiência com life is strange 1, 2 e spin-off | 701b6058 life is strange 1 scaled | married games análises, guia, pc, plataformas, playstation, xbox | life is strange, pc, playstation, singleplayer, square enix, xbox | life is strange
Imagens do primeiro life is strange (imagem: site oficial square enix)

Representatividade

O que por um lado foi uma crítica pesada para quem desgostou dos jogos, por outro foi o que cativou parte da fã base de Life is Strange. Da mesma forma em que é possível escolher o final dos jogos, podemos escolher por quem os personagens principais se apaixonam e também a sexualidade destes.

Em LiS1, Max pode ter um desenvolvimento amoroso por Chloe ou por Warren. A escolha traz diálogos diferentes também.

Em LiS Before the Storm, você pode escolher se Chloe e Rachael são melhores amigas ou namoradas. Isso ajuda a levantar um maior entendimento sobre o que de fato aconteceu no primeiro jogo de acordo com a perspectiva do jogador. Fica subentendido. Rachel traiu Chloe? Chloe estava apaixonada sozinha? Havia algum compromisso? Max tem ciúme do que Chloe e Rachel viveram? Você escolhe!

Em Life is Strange 2, Sean pode se envolver com Cassidy ou Finn. Assim como no primeiro jogo, a escolha pode mudar diálogos, e agora também finais. Fazendo a escolha certa, os pombinhos podem viver felizes para sempre.

Já com Captain Spirit, essa questão não é abordada uma vez que Chris é uma criança de 9 anos.

No jogo anunciado, Life is Strange True Colors também teremos duas opções de romance, Steph e Ryan. Mas para saber mais sobre esses casais, precisamos esperar até setembro.

Trilha sonora

Grande parte das principais cenas são embaladas por uma trilha sonora impecável. De forma suave e em background, causa a emoção necessária para o espectador ficar vidrado na cena. É impossível não se contagiar com a cena onde Max tenta impedir o suicídio de Kate, quando Rachel causa um incêndio florestal ou quando Sean e Daniel fogem de Seattle, e grande parte dessa tensão se da pela trilha sonora.

Além das músicas que acompanham os episódios, também não se pode deixar de comentar sobre o som ambiente, onde se escuta por exemplo as fofocas do corredor da escola, o som de passos, fogo queimando, etc.

É possível que em True colors possamos ter ainda mais envolvimento com a música, já que os trailers nos deram a dica de que um dos principais cenários será uma rádio/loja de discos e que Alex toca e canta, seguindo o padrão de personagens principais apaixonados pelas artes.

Confira a Alex Chen cantando o famoso hit de 1993 da banda Radiohead, Creep.

Personagens cativantes e vilões completos

É claro que Max, Chloe, Sean e Daniel tem seu mérito em carisma. Mas os personagens secundários não ficam para trás: é praticamente impossível não se solidarizar com Kate, não revirar os olhos com Victoria e não simpatizar com Claire e Stephen e chorar com Cogumela como se fosse sua própria cachorrinha.

Não obstante, o ódio que Mark Jefferson e Lisbet Fischer causam no espectador é igualmente contagiante. O plot twist onde se percebe que o verdadeiro vilão é Mark, o professor carismático e bonitão deixa muitos jogadores de queixo caído. Lisbet por outro lado, coloca as garras de fora assim que é apresentada, porém seu poder de manipulação deixa o espectador espumando.

Voltando a falar de personagens principais, o X da questão fica na humanidade deles. Apesar de serem os todos poderosos (que literalmente possuem poderes especiais), ainda são personagens humanos que erram e muitas vezes decepcionam. Em LiS2, por exemplo, Sean mostra diversos acessos de raiva com Daniel fazendo mal criações, e nem sempre concordamos com suas atitudes.

Análise: experiência com life is strange 1, 2 e spin-off | 0e65b186 11 steph wake 1080 | married games análises, guia, pc, plataformas, playstation, xbox | life is strange, pc, playstation, singleplayer, square enix, xbox | life is strange
Steph após aparecer em lis before the storm, é confirmada em lis true colors (imagem: site oficial square enix)

Jogabilidade

Todos os Life is Strange são jogados a partir de uma perspectiva de terceira pessoa, e cada jogo possui sua peculiaridade definida de acordo com o personagem. Em LiS1, Max possui a habilidade de voltar no tempo, podendo então o jogador alterar ações da personagem no passado, que podem ou trazer consequências dentro da game play.

Em Before the Storm, jogamos com Chloe, que não possui nenhum poder excepcional além de sua capacidade de discussão, que dependendo do resultado da disputa, favorecem a personagem.

Já em LiS2, o poder pertence a Daniel, e Sean não tem nenhuma influência sobre, no entanto, a maneira como o irmão mais velho cria e ampara o mais novo, alteram não só as ações de Daniel como também o final do jogo, isto é, Daniel de certa forma, possui escolhas independentes que podem ser influenciadas ou não por Sean.

Como dito anteriormente, o super poder de Chris é sua super imaginação fértil porém não deixa de ser cativante.

Expectativas para Life is Strange: True Colors

Análise: experiência com life is strange 1, 2 e spin-off | d8c58c12 lis true colors logo stacked black | married games análises, guia, pc, plataformas, playstation, xbox | life is strange, pc, playstation, singleplayer, square enix, xbox | life is strange
Novo jogo da franquia anunciado em evento da square enix e está previsto para 10/09/21 (imagem: site oficial square enix)

Para o próximo jogo da franquia as expectativas estão altas com novos personagens, novo poder e finalmente, uma melhora significativa nos gráficos. Dessa vez, jogaremos com Alex Chen, uma adolescente com ascendência asiática que possui a habilidade de sentir o que os outros sentem, podendo até identificar o gatilho de tal sentimento.

Em outras palavras “o poder da empatia”. O jogo recebe o nome de True Colors devido a animação referente ao poder: nuvens coloridas ao redor dos personagens, que simbolizam seus sentimentos. Essa animação torna a experiência visual ainda mais rica. E esperamos que a combinação dos sentidos visão e audição com a trilha sonora de excelente bom gosto, seja ainda mais estimulante.

A trama irá se passar em uma cidade pequena, semelhante ao primeiro jogo, onde reencontra seu irmão Gabe, após alguns anos. Após a morte misteriosa de Gabe, os poderes de Alex começam a aflorar, e então se dá inicio a jornada. Com a ajuda de seus possíveis pares românticos, Ryan e Steph (personagem apresentada em Before the Storm), Alex passa a investigar a estranha morte de seu irmão.

A especulação indica que pode haver uma possível pauta a respeito de racismo anti-amarelo, referencias ao LiS1 e Before the Storm devido a presença de Steph, possíveis atualizações sobre Drew e Mikey North e menções a Rachel, Max e Chloe.

Análise: experiência com life is strange 1, 2 e spin-off | 638c2ae8 | married games análises, guia, pc, plataformas, playstation, xbox | life is strange, pc, playstation, singleplayer, square enix, xbox | life is strange
Ryan, alex e gabe estarão em life is strange: true colors (imagem: site oficial square enix)

Dessa vez, a experiência fica ainda mais personalizável com 24 opções de vestuário para Alex. Você também pode atacar de DJ escolhendo uma playlist para a rádio, improvisar em cima de comerciais e também ajudar Steph a compor uma música.

Existem, no entanto, algumas duvidas não sanadas pelo trailer. A história se passa antes, depois ou simultaneamente de Arcadia Bay? Se for depois, Steph estaria mais velha, e sendo um possível par romântico, será que Alex também seria mais velha que Chloe, Max e Sean em seus respectivos jogos? Ansiosos para descobrir.

Também será possível ter acesso ao passado amoroso de Steph, que durante o Before the Storm nutria um crush em Rachel. Além disso, o jogo vai apresentar um aplicativo de encontros e lembranças sobre as Paradas do Orgulho LGBTQIA+ anteriores de Steph.

São varias novidades para o terceiro jogo, mas os fãs da saga não acreditam que isso justifique o preço em que o jogo está sendo lançado. Há uma polêmica nas redes sociais sobre a diferença discrepante entre o lançamento e os outros jogos da franquia.

Alguns fãs esperam conseguir jogar LiS True Colors por um preço menos salgado ou de graça em setembro, com a possível entrada do jogo no Xbox Game Pass, como aconteceu com os outros jogos.

O jogo foi anunciado para o dia 10 de setembro de 2021, e já está disponível para pré-venda, de acordo com o trailer divulgado pela Square Enix. Acha que vale a pena pagar o preço cheio? Deixe sua opinião.

Confira o trailer:

Outra felicidade dos fãs para de Life is Strange é que a produtora anunciou também uma versão remasterizada da coleção. Além de um jogo novo quentinho saindo do forno, também haverá a possibilidade de revisitar os primeiros jogos com uma carinha atualizada e em alta definição.

Você pode adquirir LiS: True Colors na pré-venda nas lojas da Microsoft, Playstation Store e na Steam

Conclusão

Porque gostamos tanto de Life is Strange? A resposta é simples: porque o enredo, a temática, os plots e tudo mais são extremamente cativantes. A franquia Life is Strange mostra que um jogo bem sucedido, nem sempre precisa de um gráfico impecável ou o mais alto dos orçamentos, e muitas das vezes, é justamente essa simplicidade que atrai causando quase uma nostalgia.

Com um universo completo, cheio de reviravoltas e repleto de personalidades ímpares, em Life is Strange, mergulhamos em um jogo com milhares de possibilidades onde o expectador vive a experiência ao seu bel prazer. Não gostou do final? É só jogar de novo. Além das possibilidades de relacionamentos, existe mais de dois finais disponíveis em cada jogo.

História 10/10
Gameplay10/10
Gráfico7,5/10
Áudio9/10
Mecânicas8,5/10
Nota da análise/review da franquia Life is Strange

Gostinho extra

Se você também se tornou um fã da saga e não aguenta esperar até setembro para jogar, saiba que a Dontnod Entertainment lançou um jogo do mesmo estilo que a franquia LiS porém em outro universo: Tell me Why (eu sei que você cantou).

Tell me Why foi lançado em agosto de 2020, exclusivamente para Xbox One e Windows 10. Aos mesmos moldes, ações trazem consequências e finais mudam. Os personagens principais são os irmãos gêmeos Tyler e Alison, sendo alternados dependendo do episódio.

Após Tyler ser julgado e condenado pelo assassinato de sua mãe, ser enviado para um programa de reabilitação de menores infratores, retorna ao fim de sua detenção e se reencontra com sua irmã Alison para recomeçarem a vida. Algumas coisas estranhas acontecem com os irmãos que decidem investigar o que poderia ter levado sua mãe a insanidade. Há uma opção de par romântico e vários colecionáveis.

Como de costume, temas sensíveis como transfobia, abuso de substâncias e traumas infantis serão discutidos. E super poderes? Os gêmeos, ou goblins, estão interligados, interagem com suas lembranças e conversam telepaticamente.

E você? Já jogou algum desses vários jogos que comentamos aqui? Vamos discutir um pouco! Deixe sua opinião sobre os jogos, personagens, expectativas. E nos reencontramos novamente em setembro, para falarmos sobre as primeiras impressões do tão esperado Life is Strange True Colors.

Game Review | Married Games
Análise: experiência com life is strange 1, 2 e spin-off | 6568425f life is strange scaled | married games análises, guia, pc, plataformas, playstation, xbox | life is strange, pc, playstation, singleplayer, square enix, xbox | life is strange

Preço: 99

Moeda do preço: BRL

Sistema operacional: Windows 10, Playstation 4, Playstation 5, Xbox One, Xbox Series S, Xbox Series X, Nintendo Switch

Categoria da aplicação: Game

Classificação do editor:
5
Avatar of rafael meireles

Jornalista, 22 anos e fascinado por FPS. Poucas coisas na vida de Rafael o fazem tão bem quanto escrever e jogar videogames. Futebol e música também têm parcelas de seu coração.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site utiliza cookies, conforme explicado em nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com as condições.
Este site utiliza cookies, conforme explicado em nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com as condições.