Os Piores Jogos de 2021 de Acordo com o Metacritics

Lançamentos ruins, excesso de problemas ou oportunidades desperdiçadas compões a lista dos piores do ano

O Metacritics, site agregador de notas divulgou quais são os piores jogos do ano de 2021. Os games que receberam as notas mais baixas e piores reviews da mídia especializada estão os jogos. Estão são os games de menor pontuação lançados para qualquer plataforma entre 1º de janeiro de 2021 e 31 de dezembro de 2021.

Os jogos são classificados por Metascore (em 18 de dezembro de 2021) antes do arredondamento e quaisquer títulos com menos de 7 avaliações de críticos profissionais estão excluídos. Se um único título tivesse aparecido nas listas várias vezes, devido às pontuações baixas, em mais de uma plataforma, incluímos apenas a versão de pontuação mais baixa.

Leia Também:
Conheça o PlayStation VR e seus jogos
Como expandir a memória do seu PlayStation 5
Conheça os melhores jogos do Kinect
Xbox Series S ou Series X. Saiba qual comprar
PlayStation 5 ou Xbox Series? Qual escolher?

Piores jogos de 2021
Se criado pelo pai do Sonic não quer dizer muita coisa

Piores Jogos de 2021 pelo Metacritics

Necromunda: Hired Gun (PS4) – Nota 49

Um FPS ambientado no universo de Warhammer 40K, Hired Gun vem do estúdio francês por trás de Space Hulk: Deathwing. O último jogo não impressionou exatamente os críticos, nem o Hired Gun, que foi lançado com falhas técnicas e funciona como uma versão inferior de Doom.

Necromunda: Hired Gun tinha o potencial de ser uma grande brincadeira no mundo deliciosamente sombrio de Warhammer 40k, mas errou o alvo ao chegar lá. Se você realmente gosta de Warhammer e quer pegar cada pedacinho da história que puder, então há coisas piores que você pode comprar do que esse jogo. Infelizmente, a menos que os desenvolvedores decidam dedicar algum tempo para fazer as coisas funcionarem adequadamente, Hired Gun não vai a lugar nenhum tão cedo.” – Hey Poor Player

-- Publicidade --

Demon Skin (PC) – Nota 48

Um desafiador híbrido de hack-n-slash e RPG indie, Demon Skin se passa em um mundo de fantasia sombrio cheio de monstros que vão de zumbis a lobisomens e golens. Os críticos o descreveram como Dark Souls enfiado na pele de um fighting 2D – mas com os resultados muito mais chatos do que pode parecer. Claro, é difícil, mas aqui a dificuldade deriva mais de um esquema de controles ruins do que qualquer outra coisa, e a falta geral de polimento do jogo significa que ele não chega nem perto de Dark Souls.

Demon Skin é um jogo que tenta; mostra potencial, mas falha devido a oportunidades perdidas e falta de refinamento. O combate é decente – embora possa sofrer de problemas de movimentação e IA injusta – e o jogo apresenta bons ambientes, mas o resto prova ser uma decepção. A história é incompreensível, sem envolvimento ou recompensa, e o level design apresenta muitas armadilhas instakill irritantes, inexplicáveis e muitas vezes injustas. Não é impossível encontrar alguns aspectos bons, mas eles estão lutando contra uma onda de críticas e pontos negativos.” – Wccftech

Arkham Horror: Mother’s Embrace (PC) – Nota 48

Baseado vagamente no jogo de tabuleiro Lovecraftiano, Arkham Horror e seus subsequentes, o Mother’s Embrace que se passa na década de 1920 não tenta duplicar a jogabilidade original, mas cria uma nova mistura de RPG, estratégia, combate por turnos e investigação com você tentando identificar o assassino de um professor de astronomia. Os críticos acham que o jogo da Asmodee não é bom em comparação com o original, graças à jogabilidade simplista, uma história pouco inspirada e uma falta de elementos de replay.

Arkham Horror: Mother’s Embrace sofre de um sistema de combate insípido e nada espetacular, um truque de sanidade questionável e uma litania de questões técnicas que são flagrantes demais para serem ignoradas. Embora seja uma adaptação de um jogo de tabuleiro, você também pode chamá-lo de ‘jogo entediado’ devido ao tédio e à frustração que você experimentará.” – PC Invasion

I Saw Black Clouds (PS4) – Nota 48

Um thriller sobrenatural interativo que marca a estreia nos jogos da Ghost Dog Films, I Saw Black Clouds é um jogo de vídeo full-motion (FMV) que utiliza imagens reais de ação ao vivo em vez de gráficos gerados por computador. Mas se você está procurando um filme interativo, é melhor navegar na Netflix; os críticos acham que o jogo é superficial, incoerente e filmado de maneira amadorística.

-- Publicidade --

No final das contas, o quanto você gosta de I Saw Black Clouds vai depender do seu nível de apreciação por terror schlocky e thrillers psicológicos de baixo orçamento. É uma diversão divertida o suficiente, mas a história pode deixá-lo insatisfeito dependendo de sua rota no jogo, e não há nada aqui que você já não tenha visto em uma dúzia de filmes trash direto de DVD.” – Push Square

Grand Theft Auto: The Trilogy – The Definitive Edition (Switch) – Nota 47

Precisa de mais provas de que agora vivemos na mais sombria linha do tempo? Que tal a inclusão de uma das franquias mais amadas do mundo dos jogos em nossa lista dos piores jogos do ano. A compilação remasterizada da Rockstar de três títulos antigos do Grand Theft Auto – Grand Theft Auto III de 2001, Vice City de 2002 e San Andreas de 2004, cada um marcando pontos nos anos 90 em seus lançamentos originais – acabou sendo uma das maiores decepções em jogos de 2021.

Os gráficos remasterizados conseguiram remover alguns dos encantos dos originais e introduzir novas distrações e inconsistências, enquanto a compilação também apresentava erros inesperados no lançamento. As versões de console de próxima geração (no PS5 e XBX) da trilogia eram ligeiramente melhores do que esta versão Switch, que sofria de ainda mais problemas de desempenho, mas, ainda assim, eram totalmente decepcionantes.

Grand Theft Auto: The Trilogy – The Definitive Edition no Switch oferece três dos verdadeiros grandes títulos em um pacote chocantemente bruto que consegue sugar quase toda a diversão dos épicos da Rockstar. Este é um pora pobre, uma bagunça de baixa qualidade, gaguejante e de baixa resolução cheia de bugs, falhas, problemas de áudio e muito mais. Se você puder ter este em qualquer outra plataforma, recomendamos que você faça isso ou, pelo menos, espere até que tenha sido corrigido e melhorado no futuro. Do jeito que as coisas estão, está muito, muito longe de ser ‘definitivo’ – não é assim que queremos lembrar esses jogos.” – Nintendo Life

Of Bird and Cage (PC) – Nota 44

Claro, ele recebe algum crédito por ser o único álbum de heavy metal do ano disfarçado como uma história interativa de duas horas vagamente baseada em A Bela e a Fera (mas recontada aqui em uma versão especialmente dark centrada em um viciado em drogas). Mas, como diz o Screen Rant, “só porque um jogo é único não significa necessariamente que vale a pena jogá-lo”, e muitos críticos acham que a história de Cage tem menos profundidade do que um videoclipe comum e que a interatividade do jogo mal registra.

-- Publicidade --

No final, Of Bird and Cage me deixou com um gosto terrível na boca e me perguntei como ele conseguiu ser lançado hoje. Na verdade, é tão ruim que eu quase recomendaria para conhecedores de jogos terríveis, mas, francamente, não tenho certeza se conseguiria viver com minha consciência.” – GameCritics

Leve o seu PlayStation para Casa e Jogue só os Melhores Jogos (ou os piores, você quem sabe)

Taxi Chaos (PS4) – Nota 42

Um clone descarado do Crazy Taxi da Sega, o Taxi Chaos do Team6 pode ter um preço igual ao de um jogo casual, mas, ainda assim, pode ser muito caro para um jogo de corrida simplista e não original no estilo arcade.

Um sucessor espiritual totalmente inútil para Crazy Taxi que não acrescenta nada de novo a um jogo de arcade envelhecido e de alguma forma consegue remover o que tornou o original tão jogável em primeiro lugar. Uma oportunidade perdida de melhorar ou atualizar a jogabilidade torna isso instantaneamente moribundo.” – PlayStation Universe

Werewolf: The Apocalypse – Earthblood (PS4) – Nota 42

Vindo do estúdio francês por trás da série Pro Cycling Manager, Earthblood é baseado na série de RPG de mesa World of Darkness. O jogo furtivo/ação/RPG incumbe você de jogar como Cahal, um lobisomem que está enfurecido pela poluição e busca vingança contra uma empresa de petróleo gigante.

-- Publicidade --

Embora o jogo tenha causado uma boa primeira impressão quando foi revelado na E3 alguns anos atrás, Earthblood foi recebido por meio de críticas ruins no lançamento em fevereiro, quando os críticos criticaram a natureza excessivamente repetitiva do jogo, narrativa superficial e jogabilidade datada.

Jogar como um lobisomem poderoso e cheio de raiva deveria ser a combinação perfeita para um ótimo videogame, mas Earthblood perde tantas oportunidades óbvias que é como se o próprio jogo estivesse amaldiçoado.”

Balan Wonderworld (Switch) – Nota 36

Um novo jogo de plataforma 3D do criador de Sonic the Hedgehog? Quero! Ou não. Uma coisa é ser um jogo de plataformas com estilo retro, que poderia ter seus encantos, mas é outra completamente diferente quando o jogo realmente funciona como se fosse feito décadas atrás, que é o que os críticos sentiram sobre o esfarrapado Balan Wonderworld.

Também não ajuda o fato de Balan ter uma estranha mecânica de troca de roupas, controles excessivamente simplistas e uma história incompreensível. O jogo parece ser um fracasso comercial, e o criador Yuji Naka se aposentou da Square Enix logo após seu lançamento desfavorável.

Enquanto a versão Switch pode ter o menor Metascore do jogo, Balan Wonderworld teve uma pontuação ruim em todas as plataformas, embora tenha conseguido entrar furtivamente na faixa amarela com uma pontuação de 51 no PS5.

-- Publicidade --

Balan Wonderworld é um desastre de outro mundo: tedioso de jogar, visualmente repelente e – pelo menos no Switch – revirar o estômago para controlar.” – Pocket Tactics

eFootball 2022 (PC) – Nota 25

O pior jogo oficial do Metacritic de 2021! “As melhores coisas da vida são de graça” é uma afirmação que aparentemente não se aplica a videogames. A franquia de futebol profissional de 20 anos da Konami – antes considerada a melhor de seu gênero – teve uma reformulação completa em 2021, mudando para um modelo free-to-play e adotando um novo nome, entre outras mudanças.

Mas o lançamento do eFootball em setembro foi um desastre lendário. Críticos e jogadores notaram gráficos risíveis e embaraçosos, jogabilidade incoerente e letárgica e uma grave falta de conteúdo. Por um lado, é o jogo com pior avaliação no Steam na história daquela loja.

É uma bagunça desagradável e cheia de bugs com opções de jogabilidades limitadas que retiram os pontos fortes da série PES, e o fato de ter sido lançado neste estado é chocante. A Konami pode trazer correções à medida que implementa novas atualizações gratuitas, mas, mesmo assim, a pergunta sobre o valor do eFootball 2022 ainda precisará ser feita repetidamente.“– Screen Rant

Agora, fale conosco: O que achou da lista? Concorda com as avaliações do Metacritics? Achou algum jogo da lista foi colocado aí de forma injustiça? Fale conosco e aproveite para ler mais sobre análises no nosso site.

-- Publicidade --
Avatar of paulo fabris

Paulo Fabris é um jornalista, escritor, RPGista, gamer, cosplayer, nerd e fã de animes desde a época da TV Manchete.