Blizzard contrata a Destruidora de Sindicatos

Em meio a greves e processos, a Activision Blizzard contrata como consultora escritório que tem fama de “destruir sindicatos”

Destruidora de sindicatos

“Destruidora de Sindicatos” parece ser o nome de um personagem que bem poderia fazer parte de algum time de heróis de Overwatch ou qualquer outro jogo, mas não é o caso. Essa é a fama do escritório de advocacia norte-americano WilmerHale, que recentemente foi contratado pela Activision Blizzard para “ajudar a revisar” as políticas de RH da empresa após as denúncias e processos de assédio por parte dos trabalhadores.

O escritório foi o mesmo que “ajudou” a Amazon a acabar com qualquer tentativa de greve por parte de seus trabalhadores no começo desse ano, conforme indicado por um tuíte do usuário @Jdespland.

Quem é a “Destruidora de Sindicatos”?

A advogada Stephanie Avakian, encarregada pela Blizzard de liderar o processo de “revisão das políticas” da Activision Blizzard, também já atuou como diretora de fiscalização da Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos durante o governo do ex-presidente Donald Trump. Além disso, o escritório já atuou em casos envolvendo diversos bancos suíços acusados de lucrar com o Holocausto e empresas alemãs denunciadas por trabalho escravo durante o regime nazista.

-- Publicidade --

A fama do escritório não é totalmente injustificada, já que, de acordo com o próprio site da WilmerHale, na seção “Executive and Workforce Training”, a empresa cita como parte de suas funções o “aconselhamento sobre conscientização e prevenção sindical”. O escritório também destaca trabalhos anteriores nos quais defendeu companhias que receberam denúncias parecidas com as da Blizzard.

A fama de ser contra a organização de sindicatos além da contratação do escritório parece ser um grande problema para os funcionários da Blizzard. De acordo com uma publicação da Uppercut, em um comunicado aos funcionários, Joshua Taub, um dos executivos da empresa, afirma que a melhor forma de resolver um problema é a comunicação direta com os superiores, sem recorrer a “desvios”. Uma coisa que, na prática, não funcionou e ele cancelou todas as reuniões gerais, sugerindo mais uma vez que os funcionários com problemas recorram a recursos internos.

Entenda o Processo

Funcionários da blizzard

Recentemente a Activision Blizzard, responsável por games como Overwatch, Star Craft e Warcraft, foi acusada de criar um ambiente “desagradável”, na melhor das hipóteses, e “intolerável”, na pior. Com acusações alegando assédio sexual generalizado e discriminação em alguns de seus escritórios “abominável e insultuoso”. Segundo o processo, a Activision cultiva em seus escritórios uma cultura de “garotos da fraternidade”, e ao longo de dois anos de investigação, foram descobertas diversas formas de abuso (até sexual), agressão e desrespeito as mulheres na empresa, além da desigualdade de cargos, trabalho e remuneração.

Após essas acusações virem a público, um dos líderes executivos da empresa, Bobby Kotick, escreveu uma carta aos seus funcionários, prometendo soluções e melhoras ao ambiente de trabalho, que foi respondida por mais de 2 mil funcionários, rejeitando o pedido de desculpas e dizendo que as alegações de Bobby são mentirosas. No dia 28 de julho, os funcionários da Blizzard fizeram uma greve em frente ao prédio da empresa e receberam o apoio de funcionários da Ubisoft que já enfrentaram um processo parecido.

Agora, a contratação do escritório WilmerHale bota em cheque essa suposta “melhoria” prometida pelos executivos da empresa e, até o momento, nem Kotick ou o escritório comentou a ação. Ficamos esperando que a situação não fique ainda pior para os funcionários.

-- Publicidade --

E enquanto isso, deixe nos comentários: O que você acha que acontecerá ao final do processo? Já tinha ouvido falar da WilmerHale? O que você espera que aconteça a Blizzard? Está sentindo o reflexo desse caso em algum dos jogos? Aproveite também para ler mais notícias no nosso site.

Fonte: Kotaku

Avatar of paulo fabris

Paulo Fabris é um jornalista, escritor, RPGista, gamer, cosplayer, nerd e fã de animes desde a época da TV Manchete.