Notícias

Destroy All Humans! – Remake chegará dia 28 de julho

Mesmo vivendo em uma época de remake, Destroy all Humans! é um pouco estranho. Originalmente um caso exclusivo de console, o original de 2005 foi bom o suficiente para gerar uma série, mas nunca pensei que voltaria 15 anos depois. Se você tem uma coceira por uma brincadeira de ação de comédia dos anos 2000, poderá pegá-la no dia 28 de julho.

Confira também: Google Stadia: Cinco grandes títulos da EA chegarão a plataforma

Eu não acho que estava com coceira, mas assistindo o trailer, que ainda dá uma grande vibração dos anos 2000, acho que estou meio nisso. Um pouquinho. Há algo tranquilizador em sua missão simples: causar confusão e destruir todos os seres humanos. A pé ou em seu OVNI, você pode demolir edifícios, seqüestrar seres humanos e gado, flexionar seu cérebro com psicocinese e geralmente causar travessuras assassinas. É uma diversão boa, limpa e saudável.

destroy all humans! remake

Se você sempre foi um jogador de PC obstinado, pode ter perdido a primeira vez, então ainda há mais razões para dar uma olhada no velho UFO agora. Você pode encomendar através do site oficial – parece que a Steam é a única plataforma em que estará disponível, pelo menos no PC. Ou você pode esperar até 28 de julho e ver se vale o seu dinheiro.

Edição especial de Destroy
All Humans! Remake

Há também algumas edições especiais, mas elas estão disponíveis apenas nos consoles. Enfim, há a Edição de Colecionador de DNA, que apresenta uma estatueta, chaveiro, litografia, um brinquedo estressante e peles, o que lhe dá um valor enorme de £ 140 / $ 150. Isso empalidece em comparação com o absurdo £ 350 / $ 400 Crypto-127 Edition, que contém uma estatueta diferente e uma mochila. Crikey.

Confira também: Dragon Ball Z: Kakarot ganha primeira DLC
Confira também: Valorant: Confira os patch notes da última atualização

Via: PCGamer

Lucas Votto
O autorLucas Votto
Redator
Estudante de Jogos Digitais e aspirante a programador. Viciado por jogos de LEGO e estratégia.

Deixe uma resposta