Notícias

Pai cria controle adaptativo para filha jogar Zelda

Ava é uma garota americana que sofre com mobilidade reduzida devido a “problemas com o neurônio motor fino” (via Channel 103); E tem também, um pai incrível.

Porém, o pai de Ava, Rory Steel, chefe do Jersey Digital Academy viu a vontade que sua filha tinha de jogar Zelda e resolveu criar um controle adaptativo para Nintendo Switch para que ela pudesse jogar o game.

Depoimentos de Rory Steel

“Compramos um Nintendo Switch para minha filha no Natal, e ela tem problemas finos de neurônios motores – por isso é ótimo porque ela só precisa mover o controle para cima e para baixo – mas quando ela começou a me ver jogar Zelda: Breath of the Wild, ela queria experimentar, mas os controles eram muito complicados “.

Rory baseou sua criação no Xbox Adaptive Controller da Microsoft e fez algo que funcionou para Ava usando peças compradas da B&Q e eBay.

“Felizmente, a Microsoft possui um dispositivo que permite que crianças com problemas de destreza possam usar controladores personalizados com botões e controles de bugs, para que possam participar do que de outra forma não seriam capazes”.

Montagem do controle gravada pelo pai

Então, Rory colocou toda a montagem do controle no seu Twitter pessoal; o que fez o mesmo viralizar e fazer com que essa notícia corresse o mundo todo.

E por fim, Ava conseguiu jogar o tão aclamado Zelda:

O projeto do pai chegou a Phil Spencer, chefe de divisão da Xbox, que elogiou o projeto. Steel entretanto, foi procurado pela Logitech e pela Microsoft; afim de ajudá-lo a fazer uma segunda versão do controle com maior tecnologia para ser usado por outras pessoas com mobilidade reduzida.

Pai filha controle xbox

Enfim, Rory aceitou a proposta, dizendo em entrevista para a Channel 103 que:

“Por enquanto vou aceitar as ofertas deles para criar um pouco de tecnologia de classe superior, o projeto sempre deveria ser algo que qualquer pessoa em todo o mundo pudesse usar.

O que eu ainda quero fazer é uma versão de baixa tecnologia, para que as pessoas em casa possam experimentar – mas agora há pressão sobre mim com essas empresas para tentar fazer com que pareça um pouco melhor – e quem sabe aonde isso vai levar “.

Lucas Votto
O autorLucas Votto
Redator
Estudante de Jogos Digitais e aspirante a programador. Viciado por jogos de LEGO e estratégia.

Deixe uma resposta