Pesquisar
Close this search box.

Como Criar Cenários Envolventes em Jogos 2D

Aprenda Como Criar Cenários Envolventes em Jogos 2D

Posso garantir, com 90% de certeza, que qualquer um que jogo videogames, seja um veterano ou um novato, se visse uma imagem da Green Hill Zone ou do Mundo 1-1 em uma situação isolada diria “Aquilo saiu do jogo do Sonic/Mario”.

Esses dois cenários, sejam em 2D ou em 3D, já se tornaram icônicos no mundo dos jogos, assim como seus personagens e suas músicas.

Quando você está criando seu jogo 2D, seja em uma engine como Godot (site oficial) ou Unity (site oficial), além de pensar no design dos personagens, inimigos e vilões e na história, é importante pensar no cenário daquele mundo. E, pensar no cenário, não necessariamente quer dizer pensar no level design.

Cenários bem elaborados são cruciais para a imersão dos jogadores em jogos 2D. Eles não apenas definem o visual do jogo, mas também podem influenciar a jogabilidade, a narrativa e a atmosfera geral.

Porém, assim como tudo no mundo do desenvolvimento dos jogos, falar é bem mais fácil que fazer.

Afinal, todo mundo quer que seu jogo se destaque no meio da multidão de games que são lançados todos os dias!

Se você está buscando saber como criar cenários envolventes em jogos 2D que cativem seus jogadores, esta matéria irá te auxiliar com diversas dicas e técnicas e, se sobrarem dúvidas, é só deixar aí nos comentários.

Hora de Dar um Upgrade nas suas Skills

Você ama videogames e imagina como seria criar o seu próprio, mas a ideia de aprender programação e mudar de carreira parece um desafio distante? Com o nosso curso, nós trazemos uma proposta diferente: aprender a criar jogos no seu tempo livre, sem a necessidade de se tornar um programador ou deixar seu trabalho atual.

Imagine poder criar pequenos projetos, jogos que contam histórias que você sempre quis contar, ou simplesmente experimentar suas ideias em um ambiente divertido e sem pressões. Nosso curso é desenhado para quem acha que não tem tempo ou paciência para aprender programação do zero. Através de ferramentas intuitivas e lições que cabem na sua rotina, você vai ver que é possível sim, trazer suas ideias para a vida digital.

Não é sobre mudar de carreira; é sobre adicionar mais paixão à sua vida. E quem sabe? Talvez isso se torne mais do que um hobby. Mas se não se tornar, tudo bem também! O importante é a satisfação de criar algo seu, no seu tempo e do seu jeito.

Clique aqui para começar a transformar sua paixão por jogos em criação. Afinal, por que só jogar quando você pode criar?

Defina o Tom e a Atmosfera:

Criar cenários envolventes em jogos 2D envolve uma cuidadosa consideração do tom e da atmosfera desejados. Estes elementos estabelecem o clima geral do jogo, impactando diretamente na experiência do jogador.

Para definir o tom e a atmosfera, é crucial entender a narrativa e o objetivo do jogo. Por exemplo, um jogo de aventura pode se beneficiar de um cenário misterioso e sombrio, enquanto um jogo infantil pode exigir cores vivas e um ambiente acolhedor.

Um cenário feliz e colorido no jogo Diablo III

No aspecto técnico, isso se traduz em escolhas de paleta de cores, uso de sombras e luzes, e seleção de elementos visuais. Por exemplo, tons mais escuros e sombras sutis podem criar uma sensação de mistério e suspense, enquanto cores mais vibrantes e iluminação suave podem evocar sentimentos de conforto e segurança. Além disso, a seleção de elementos visuais, como árvores, construções e objetos decorativos, também contribui para a construção do cenário e a definição da atmosfera.

Vamos pensar por exemplo: E se o jogo Resident Evil tivesse um cenário iluminado, colorido e cheio de árvores balançando felizes ao som de uma música animada? Você não ia sentir muito medo, não é?

Contudo, essa “quebra” pode ser proposital, como é o caso do level Whimsyshire, em Diablo 3. Quando os jogadores reclamavam que o jogo estava “colorido demais e nada sombrio”, a Blizzard resolveu entregar para eles isso:

Explore Diferentes Estilos Visuais:

Quando se trata de criar cenários envolventes em jogos 2D, a escolha do estilo visual desempenha um papel crucial na definição da atmosfera e na imersão do jogador. Dentre os diversos estilos disponíveis, alguns dos mais populares são o realista, o cartum, o pixel art e o de silhueta. Veja:

O estilo realista emprega técnicas como perspectiva, luz e sombra para criar cenários que se assemelham ao mundo real. Isso pode ser especialmente eficaz para jogos com temáticas mais sérias ou narrativas densas, onde a fidelidade visual é essencial para transmitir emoções e detalhes complexos. Pode ser o ideal para estilos de jogos focados em terror ou mistério.

Por outro lado, o estilo cartum adota cores vibrantes, formas exageradas e expressões faciais caricatas para criar um visual divertido e lúdico. Esse estilo é frequentemente usado em jogos voltados para um público mais jovem ou em títulos que buscam uma estética mais descontraída e humorística. Perfeito para games focados em mascotes ou aventuras, como em Cupehead.

Já o pixel art, caracterizado pelo uso de uma paleta limitada de cores e blocos de pixels, evoca uma sensação nostálgica e charmosa. Esse estilo é muito popular em jogos indie e remete aos clássicos dos consoles antigos, proporcionando uma experiência visual única e retro. Se você está trabalhando com Godot Engine pode ser uma boa.

Estilo Silhueta

Por fim, o estilo de silhueta utiliza contrastes entre silhuetas escuras e fundos claros para criar uma atmosfera dramática e misteriosa. Esse estilo pode ser particularmente eficaz em jogos de suspense, horror ou fantasia, onde a sugestão e o mistério são elementos-chave para envolver o jogador. O jogo Limbo é famoso por adotar esse estilo.

Crie Profundidade e Dimensão:

Paralaxe
Paralaxe nos jogos do Sonic

Nos jogos 2D, criar uma sensação de profundidade e dimensão nos cenários é fundamental para proporcionar uma experiência visualmente rica e imersiva aos jogadores, apesar das limitações do espaço bidimensional.

Por exemplo, em um jogo de plataforma 2D, as plataformas mais próximas ao jogador podem ter mais detalhes e serem mais brilhantes, enquanto as mais distantes podem ser mais simples e terem cores mais desbotadas. Isso cria uma sensação de espaço e profundidade, mesmo que o jogo esteja limitado a apenas duas dimensões.

Existem várias técnicas que os desenvolvedores podem empregar para alcançar esse efeito:

  1. Camadas de Fundo e Primeiro Plano: Utilizar diferentes camadas de elementos no cenário, com alguns mais próximos do espectador (primeiro plano) e outros mais distantes (fundo), ajuda a criar a ilusão de profundidade. Elementos no primeiro plano se movem mais rapidamente do que os do fundo, simbolizando proximidade, enquanto os do fundo se movem mais devagar, sugerindo distância.
  2. Perspectiva: Apesar de ser um jogo 2D, é possível simular a perspectiva através do posicionamento e tamanho dos objetos. Elementos maiores e mais detalhados podem ser colocados na parte frontal do cenário, enquanto os menores e mais simples podem ser posicionados mais ao fundo, dando a impressão de que estão mais distantes.
  3. Uso de Sombras e Luzes: Adicionar sombras e iluminação aos objetos no cenário pode ajudar a criar a sensação de profundidade, destacando áreas mais próximas e obscurecendo as mais distantes. Isso também pode ser feito através do uso de gradientes de cor para simular luz e sombra.
  4. Escalonamento de Tamanho: Ajustar o tamanho dos objetos com base na sua posição no cenário pode dar a sensação de distância. Objetos maiores na parte frontal e objetos menores na parte traseira ajudam a criar a ilusão de profundidade.
  5. Paralaxe: A técnica de paralaxe envolve mover diferentes camadas do cenário em velocidades diferentes para criar a sensação de profundidade enquanto o jogador se move pela tela. Isso adiciona dinamismo ao cenário e reforça a sensação de espaço tridimensional.
  6. Detalhes Atmosféricos: Adicionar detalhes atmosféricos, como neblina, partículas em movimento (como folhas caindo ou poeira), ou mudanças na saturação e tonalidade das cores à medida que os objetos se distanciam, pode ajudar a reforçar a sensação de profundidade.

Conte uma História e Incentive a Exploração:

Em jogos 2D, os cenários desempenham um papel vital na narrativa e na experiência do jogador. Além de servirem como pano de fundo para a ação, os cenários podem ser uma ferramenta poderosa para contar histórias e envolver os jogadores de forma sutil e imersiva.

Uma abordagem eficaz é utilizar o cenário como meio de contar a história do mundo do jogo sem a necessidade de diálogos ou cutscenes. Isso pode ser alcançado através do uso inteligente de elementos visuais, como pistas, objetos e detalhes.

Por exemplo, um cenário desolado com ruínas antigas e inscrições misteriosas pode sugerir uma civilização antiga que desapareceu, enquanto uma floresta densa e sombria pode indicar perigos iminentes. Essas pistas visuais despertam a curiosidade dos jogadores e os incentivam a explorar mais profundamente o mundo do jogo para desvendar sua história. Um bom exemplo disso é o game No Place for Bravery.

No place for bravery
Tem muita história nesse cenário

Além disso, criar cenários que incentivem a exploração e a descoberta é essencial para manter os jogadores engajados. Elementos como caminhos secretos, áreas escondidas e itens colecionáveis ​​podem recompensar os jogadores que se aventuram além do caminho principal. Por exemplo, uma caverna escondida pode conter um tesouro valioso ou uma arma poderosa, incentivando os jogadores a procurarem por ela. Isso não apenas aumenta a longevidade do jogo, mas também enriquece a experiência do jogador, proporcionando uma sensação de descoberta e realização.

Utilize Ferramentas Adequadas:

Existem diversas ferramentas disponíveis para auxiliar na criação de cenários 2D, como:

  • Softwares de edição de imagens: Utilize softwares como Photoshop, GIMP ou Paint Tool Sai para desenhar e editar seus cenários.
  • Softwares de criação de tilesets: Utilize softwares como Tiled ou Pyxel Edit para criar tilesets, que são conjuntos de peças modulares que podem ser utilizadas para construir cenários rapidamente.
  • Engines de jogos 2D: Utilize engines de jogos 2D como Unity, Godot ou GameMaker Studio 2 para criar e animar seus cenários.

Utilizar as ferramentas adequadas é essencial para facilitar o processo de criação de cenários 2D e garantir resultados de qualidade. Vamos explorar um pouco mais sobre as ferramentas mencionadas e como elas podem ser aproveitadas:

Softwares de edição de imagens, como o Photoshop, GIMP ou Paint Tool Sai, oferecem uma ampla gama de recursos para desenhar e editar cenários. Eles permitem criar elementos visuais detalhados, aplicar efeitos especiais, ajustar cores e texturas, e muito mais. Esses softwares são ideais para artistas que preferem criar os cenários do zero, trabalhando com pincéis digitais e camadas para alcançar o visual desejado.

Já os softwares de criação de tilesets, como o Tiled ou Pyxel Edit, são especialmente úteis para a construção rápida e eficiente de cenários usando peças modulares, conhecidas como “tiles”.

Esses programas permitem criar e organizar conjuntos de tiles que podem ser facilmente arrastados e soltos para montar cenários complexos. Isso é especialmente útil para desenvolvedores que desejam criar mundos grandes e variados de forma eficiente.

Além disso, as engines de jogos 2D, como Godot Engine, GameMaker Studio, Unity e Unreal Engine oferecem ferramentas poderosas para criar, animar e programar cenários interativos. Elas incluem recursos para importar e manipular assets gráficos, criar animações e efeitos visuais, implementar física e colisões, e muito mais.

Essas engines simplificam o processo de desenvolvimento, permitindo que os desenvolvedores foquem na criação de conteúdo e na jogabilidade, em vez de se preocuparem com a programação de baixo nível.

Experimente e Se Divirta:

Observe outros jogos 2D que você admira e tente identificar o que torna seus cenários tão envolventes. Utilize essas referências para inspirar seus próprios designs. Criar cenários 2D deve ser um processo divertido e criativo. Não tenha medo de experimentar diferentes técnicas e estilos até encontrar o que funciona melhor para você e para o seu jogo.

FAQ Rápido sobre Como Criar Cenários Envolventes em Jogos 2D

Por que os cenários são tão importantes em jogos 2D?

Os cenários desempenham um papel crucial na criação de uma experiência imersiva para os jogadores. Eles não apenas fornecem o pano de fundo para a ação, mas também ajudam a contar histórias, definir o tom e a atmosfera, e guiar a jogabilidade.

Como posso criar cenários envolventes sem usar diálogos ou cutscenes?

Você pode contar histórias através de elementos visuais, como pistas, objetos e detalhes nos cenários. Esses elementos podem sugerir eventos passados, desafios futuros e até mesmo desenvolver personagens sem a necessidade de diálogos diretos.

Que técnicas posso usar para adicionar profundidade aos meus cenários 2D?

Algumas técnicas comuns incluem o uso de camadas de fundo e primeiro plano, perspectiva, sombras e luzes, escalonamento de tamanho e paralaxe. Essas técnicas enganam o olho do jogador, criando a ilusão de espaço tridimensional em um ambiente bidimensional.

Quais ferramentas posso usar para criar cenários 2D?

Existem várias opções de ferramentas disponíveis, incluindo softwares de edição de imagens como Photoshop, GIMP e Paint Tool Sai, softwares de criação de tilesets como Tiled e Pyxel Edit, e engines de jogos 2D como Unity, Godot e GameMaker Studio 2.

Fale conosco nos comentários e diga oque achou dessa matéria e aproveite para ler mais notícias e matérias, como por exemplo, nosso guia para criar jogos, no nosso site.

Quer dar vida aos seus modelos 3D com texturas impressionantes? Continue lendo para aprender tudo sobre o processo de mapeamento UV do Blender!
Saiba mais sobre a espetacular memória RAM DELTA TUF RGB DDR5
Quer saber se vale a pena jogar a última obra de Akira Toryama? Então veja nossa analise de Sand Land
Conheça o robusto HD portátil SSD T-FORCE M200
Aprenda como enviar comandos aos personagens do seu jogo com o Signals no Godot
Saiba mais sobre os processos e mecanismos de Renderização no Blender