Valve Proíbe Jogos de NFT, mas a Epic não

Steam incluiu cláusula que impede jogos com venda ou troca de criptomoedas, mas o CEO da Epic parece estar aberto a acolhê-los

Se você, um dia, tinha a esperança de jogar Axie Infinity ou outro jogo para ganhar criptomoedas na sua biblioteca Steam, então, más notícias: a Valve proíbe jogos de NFTs, tecnologia blockchain, ou permitem que os usuários comprem ou vendam itens, ou troquem eles por criptomoedas, na Steam, de acordo com uma regra adicionada à lista “O que você não deve publicar no Steam” da loja em algum momento deste mês ou do mês anterior e ainda nem costa em toda a documentação da loja.

A informação foi descoberta pela conta no Twitter do usuário SpacePirate, um desenvolvedor que trabalha em um jogo baseado em NFT, que disse que a mudança aconteceu porque a empresa não permite itens em jogos que possam ter valor no mundo real (como se não houvesse um mercado para venda de itens em jogos como Counter Strike: Global Defense e Team Fortess 2, mas, deixa para lá.)

A Steam tem um histórico de “tomar decisões controversas em relação aos seus jogos”, especialmente quando se trata de jogos com conteúdo sexual (oque também é algo comum na loja). E, por algum motivo desconhecido, a maioria das respostas ao tuite do SpacePirate são de pessoas que estão apoiando a decisão da Steam ou tirando sarro de quem lamenta a medida.

Valve proíbe jogos de nft
Tuíte do usuário SpacePirate

Valve Proíbe Jogos de NFT desde quando?

A regra foi acrescentada a página de Documentação do Steam e, aparentemente, é algo tão recente a plataforma e, aparentemente, inclusa tão de “última hora” que ela nem mesmo foi traduzida para o português nas novas regras e, em outros documentos, como a página de “Participando do programa de distribuição Steamworks”, ela simplesmente ainda nem aparece. A Valve, até o momento, não respondeu o motivo dessa mudança e, jogos que tenham conteúdo NFT, como o simulador de encontros, House Party (que também tem conteúdo sexual) continuam disponíveis na Steam.

Talvez seja compreensível que motivo da Steam queirer evitar NFTs em sua plataforma. Além da justificativa citada pelo SpacePirate, sobre os itens terem valor no mundo real (o que parece um argumento fraco, dadas as enormes comunidades comerciais em torno de coisas como skins de CS: GO e cosméticos do Team Fortress 2), os NFT e jogos baseados em criptomoedas não têm boas reputações.

-- Publicidade --

É o caso de jogos como Evolved Apes, em que o desenvolvedor do jogo vendeu NFTs, com a promessa de que eles seriam incluídos em um jogo de luta, mas então aparentemente pegou o dinheiro e fugiu. Existem alguns conceitos de jogo potencialmente interessantes que vendem NFTs, mas é difícil dizer qual deles seriam adequados para o serem vendidos na Steam e, mesmo se fossem permitidos, quais cumpriram suas promessas.

Epic Enxerga Nisso uma Oportunidade

Jogos como Illuvium e Star Atlas, que tem em sua proposta serem jogos Triple A de criptomoedas, poderiam ser bem-vindos a plataforma da Valve, porém, alguns que já tem jogos como Fortnite em seu DNA, como o caso de Light Nite, poderiam achar seu lar na Epic Games. Que por acaso, está bem aberta a receber esses games em sua loja.

Embora o CEO da Epic, Tim Sweeney, tenha dito que a empresa não está interessada em mexer em NFTs, essa política não parece se aplicar aos jogos em sua loja: a Epic disse ao The Verge que está “aberta” à ideia de jogos que usam NFTs ou criptomoedas em um tuíte na sexta-feira.

As diferentes abordagens do Steam e da Epic destacam o fato de que qualquer plataforma ou loja que modere conteúdo provavelmente terá que tomar uma decisão sobre se deseja permitir que aplicativos ou jogos vendam NFTs em suas lojas e, atualmente, uma das maiores dúvidas pode ser sobre a opinião da Apple e como ela lidará com aplicativos como OpenSea e Coinbase, caso eles decidam começar a permitir que os usuários comprem os tokens digitais. Ficaremos de olho para descobrir isso no futuro.

Deixe nos comentários o que achou da decisão da Valve e leia mais notícias no nosso site.

-- Publicidade --
Avatar of paulo fabris

Paulo Fabris é um jornalista, escritor, RPGista, gamer, cosplayer, nerd e fã de animes desde a época da TV Manchete.